Seja bem vindo(a)!!!





Há mais 15 anos , apresento um programa de rádio intitulado "Canta Minas", na rádio Aranãs FM, de Capelinha MG, com enfoque exclusivo para a música mineira em todas suas vertentes. Sempre fui apaixonado por música e, assim sendo, tomei a iniciativa de criar este blog com a finalidade de divagar um pouco sobre as minhas impressões durante os mais de 12 anos de programa. Além da música também sou apaixonado por História e Literatura. Aqui, publicarei crônicas, causos e outras divagações a respeito de tudo que tenho vivido nesse pedaço de chão que é o Vale do Jequitinhonha. E como não pode deixar de ser, também escrevo sobre a minha querida terra natal, Corinto, e outras vivências pelo mundo afora que me ajudaram a construir uma história de gente comum, sem heroísmos, no entanto carregada pelos "sinais de humanidade"!!! Abraços Gerais!!!

banner

banner

domingo, 29 de julho de 2018

ARTE, PROSA E CANTORIA NO GALPÃO CULTURAL


Por Douglas Lima (*)


O encontro musical entre Tadeu e Elza só poderia agradar. Com a participação de jovens músicos da cena capelinhense, o espetáculo “Arte, Prosa & Cantoria” rendeu momentos memoráveis no Galpão Cultural



Ano após ano, o Galpão Cultural se firma como ambiente de pluralidade na programação da Festa do Capelinhense Ausente. Na edição de 2018, realizada de 14 a 22 de julho, o conceito do evento se baseou na atmosfera das cozinhas e quintais da região, espaços de sociabilidade centrais na vida dos capelinhenses. Culinária, arte e música deram tom e sabor ao encontro, que mais uma vez reuniu públicos tão diversificados quanto os ritmos que ocuparam os palcos do Galpão Cultural. Sertanejo, soul, MPB, samba, forró, rock e ritmos mesclados compartilharam as noites e madrugadas da programação. Na abertura, a cultura popular foi saudada no espetáculo “Arte, Prosa & Cantoria”, uma proposta do meu amigo Tadeu Oliveira e da artesã Elza Sampaio.

Pela amizade que cultivamos, admito que sou suspeito para escrever sobre Tadeu Oliveira. Há anos me pergunto quando a Câmara Municipal de Capelinha oferecerá a ele o título de cidadão honorário, dada sua relevância para a cidade. Natural de Corinto, Tadeu abraçou Capelinha duas décadas atrás. Desde então, está engajado em diversos projetos das áreas de educação e cultura no município. Além de trazer um sopro de renovação, Tadeu se tornou um agente de conexão entre várias gerações de artistas de Capelinha. Seja com seu trabalho como radialista no programa Canta Minas, da Aranãs FM, seja como regente do Coral Vozes das Veredas, da simpática cidade de Veredinha, Tadeu leva o nome de Capelinha para outras plagas com tanto respeito, que isso o faz tão capelinhense quanto os que nasceram no município.

Foi por meio de Tadeu que conheci Elza Sampaio. Moradora na comunidade do Cisqueiro, ela se destacou inicialmente pelo trabalho em cerâmica. Suas peças carregam as marcas da tradição artesanal do Vale do Jequitinhonha, entretanto, possuem características únicas. As feições e os olhares das “bonecas de barro” de Elza são facilmente identificáveis. Seu talento pode ser conferido na Casa do Artesão, situada no Mercado Municipal de Capelinha, onde Elza e outras/os artistas da região expõem seus trabalhos. Mas Elza não tem apenas as mãos encantadas. Dos seus laços familiares e comunitários ela herdou cantigas e versos que falam sobre a lida na roça e ressaltam o papel das mulheres em contextos rurais. Segundo Elza conta, um de seus sonhos era cantar no palco. Tadeu Oliveira deu o empurrão que faltava.

Dada a bagagem de ambos, o encontro musical entre Tadeu e Elza só poderia agradar. Com a participação de jovens músicos da cena capelinhense, o espetáculo “Arte, Prosa & Cantoria” rendeu momentos memoráveis no Galpão Cultural. Já no início, o palco foi tomado por artesãs e artesãos de Capelinha, que carregavam frutos elaborados por mãos tão talentosas quanto as de Elza. Seu Geraldo com as violas caipiras e rabecas, Elizete Silva e suas peças de cerâmica, Josimar e suas telas, Natália com as bonecas de pano, dona Antônia com seu trabalho de palha de bananeira, dona Vicência e seus bordados: essa gente simples e trabalhadora, inventiva e persistente demonstrou que a arte pulsa em Capelinha.

“Arte, Prosa & Cantoria” prosseguiu, trazendo ao Galpão Cultural a vida nas roças e nas pequenas comunidades, cheia de cantos de labuta e de reza. E cantos de festa também, afinal, ninguém é de ferro e nem só de trabalho vivem as pessoas em Capelinha e no Vale do Jequitinhonha. A participação do grupo de Caboclinhos e do Bumba Meu Boi reforçou a vinculação do espetáculo às manifestações que fazem parte da gênese brasileira. Além do cancioneiro popular, o repertório contou com obras de Rubinho do Vale, Geraldo Vandré, Caetano Veloso, Chico Buarque e Milton Nascimento. O cânone da MPB passeou pelo Galpão Cultural de mãos dadas com uma parte preciosa do que o Vale do Jequitinhonha já produziu em termos musicais. Tadeu também apresentou uma música de sua lavra e outras duas que compôs em parceria com Alexis Eleutério, todas relacionadas a temas que povoaram a noite: o homem e sua relação com a natureza, a luta diária dos trabalhadores e os festejos do povo.

Apesar do viés marcantemente tradicional do repertório, o espetáculo não escondeu seus laços com o mundo contemporâneo. A banda que acompanhou Tadeu e Elza foi um baluarte dessa relação, executando com competência arranjos especialmente elaborados para a ocasião. A guitarra de John Luiz deu fôlego novo a canções que geralmente são interpretadas com o acompanhamento de violão. Em muitos momentos, a flauta transversal de Daniel Vieira manteve diálogo sutil com a viola caipira de Rafael Costa. A percussão de Diego Evantuir transitou entre ritmos indígenas e afro-brasileiros. No vocal de apoio, Syméia Chaves reforçou a potência das vozes de Tadeu e Elza. Mesmo com o curto prazo para desenvolver a proposta, o grupo demonstrou afinidade no palco.

Com alguns ajustes, “Arte, Prosa & Cantoria” pode ganhar maior envergadura. Pelo que foi apresentado no Galpão Cultural, o projeto tem força para ir além dos limites de Capelinha e ganhar o mundo.

(*) Douglas Lima, natural de Capelinha, é mestre em História Social da Cultura pela UFMG. Pesquisador e escritor, ele também compõe suas pérolas musicais.