Seja bem vindo(a)!!!





Há mais 15 anos , apresento um programa de rádio intitulado "Canta Minas", na rádio Aranãs FM, de Capelinha MG, com enfoque exclusivo para a música mineira em todas suas vertentes. Sempre fui apaixonado por música e, assim sendo, tomei a iniciativa de criar este blog com a finalidade de divagar um pouco sobre as minhas impressões durante os mais de 12 anos de programa. Além da música também sou apaixonado por História e Literatura. Aqui, publicarei crônicas, causos e outras divagações a respeito de tudo que tenho vivido nesse pedaço de chão que é o Vale do Jequitinhonha. E como não pode deixar de ser, também escrevo sobre a minha querida terra natal, Corinto, e outras vivências pelo mundo afora que me ajudaram a construir uma história de gente comum, sem heroísmos, no entanto carregada pelos "sinais de humanidade"!!! Abraços Gerais!!!

banner

banner

domingo, 24 de junho de 2012

COBRA CORAL (EN)CANTA EM CAPELINHA


Por Tadeu Oliveira

Após o show o Cobra Coral foi recebido pelo N'o Porão
Na última quinta feira, dia 21 de junho, aconteceu em Capelinha o 4º Encontro da Mulher Cooperativista de Capelinha e região.

O evento homenageou quatro mulheres com o prêmio mulher cooperativista do ano: dona Amarílis Teixeira, dona Manoela Posser de Andrade, Maria José Lima Miranda e Cristina Helena Neto Buga Martins da Silva.

Em seguida aconteceu a palestra “Como empreender através do cooperativismo”, com o sr. Antonio Carlos Soares Pereira, do Sebrae.

Logo após a palestra, aconteceu o show com o quarteto cobra coral, formado por Flávio Henrique, Kadu Vianna, Mariana Nunes e Pedro Morais.

Foi um dos shows mais belos que eu já assisti e muita gente compartilha dessa opinião comigo.

Repertório lindo, performance vocal impecável e o carisma transbordando. É assim que defino o coral.

O 4º encontro foi uma realização do SICOOB Credijequitinhonha e contou com o apoio da Aperam Bioenergia, do Sebrae Minas Gerais, da Revista Vanguarda e do programa canta minas.

Eu agradeço ao SICOOB pela oportunidade que me foi dada de auxiliar na organização desse evento e de aceitar o programa canta minas como apoiador.

Era um sonho meu poder voltar em grande estilo e assim, juntando o útil ao agradável, tive a feliz ideia de indicar o show do cobra coral para o 4º encontro da mulher cooperativista, um show que eu desejava muito trazer emCapelinha. Assim, o programa canta minas pode apoiar um grande evento e eu me sinto honrado de poder participar.

Registro meus agradecimentos ao quarteto cobra coral e pela cortesia do Kadu Vianna, Flávio Henrique e Mariana Nunes em me ceder diversos cds da carreira solo de cada um e que incluiremos na programação do programa canta minas.

Agradecimentos também, ao Bar e Café No Porão na pessoa da Jacy Magalhães pela costesia em oferecer um jantar para o Quarteto Cobra Coral logo após o show.

Muita gente fez referências ao texto de abertura do show do Cobra Coral. Atendendo aos pedidos, abaixo publico o texto na íntegra


"Primeiramente, eu quero agradecer ao SICOOB pela oportunidade que me foi dada de auxiliar na organização desse evento e de aceitar o programa Canta Minas como apoiador.

Como vocês já sabem, o programa Canta Minas acaba de voltar a fazer parte da programação de rádio Aranãs FM, depois de quase dois anos e meio fora do ar.

Era um sonho meu poder voltar em grande estilo e assim, juntando o útil ao agradável, tive a feliz ideia de indicar o show do Cobra Coral para o 4º Encontro da Mulher Cooperativista, um show que eu desejava muito trazer em Capelinha. Assim, o programa Canta Minas pode apoiar um grande evento e eu me sinto honrado de poder participar.

Antes de anunciar o início do show, eu gostaria de falar sobre algo que observei desde o primeiro dia em que a Lydinha me convidou para ajudar na organização. Havia uma coincidência relativa ao número quatro: seria o Quarto encontro, que presta homenagem a quatro mulheres... até a data inicial do evento tinha a ver com o quatro: seria o dia 22, que somando os algarismos chega-se ao numero 4. A data teve que ser mudada, mas uma outra coincidência aconteceria ao se escolher o Quarteto Cobra Coral para abrilhantar este Encontro.

Segundo dizem os místicos, o número 4 parece representar a ideia de plenitude, de paz, de estabilidade e eternidade. Se bem observarmaos,  são quatro elementos fundamentais (terra, fogo, água e ar), as qualidades essenciais (seco, quente, úmido e frio) , são também quatro os temperamentos básicos (colérico, sanguíneo, melancólico e fleumático),  fases da lua (cheia, minguante, nova e crescente), pontos cardeais (norte, sul, leste, oeste), estações do ano(outono, inverno, primavera e verão), as operações matemáticas... até o símbolo dá, o trevo, tem quatro folhas. São todos símbolos da unificação da consciência desde os tempos pré-históricos.

O psiquiatra suíço Jung, fundador da psicologia analítica, sugere que o dogma católico da assunção da Virgem Maria em corpo e alma para o céu, é uma afirmação dogmática da quaternidade. Segundo ele, a Trindade Cristã, que é um conceito de perfeição, a ideia do três de Deus requer a inclusão do quatro para atingir a estabilidade, totalidade e plenitude. E disse mais, que psicologicamente, isso é muito importante porque é a inclusão de um elemento terrestre, feminino, na trindade Celestial. O que substituiria a imagem da perfeição pela de plenitude, de totalidade.

Bem dito, isso passemos à apresentação do Quarteto Cobra Coral. Poderia aqui ler um extenso currículo de cada um deles, o que poderei fazê-lo através do programa Canta Minas, mas ouso compará-los com as quatro estações.

Flávio, Kadu e Pedro seriam as estações masculinas. Flávio Henrique, como bom canceriano seria como o inverno, estação que nos remete ao aconchego, à proximidade, dado a sua capacidade de agregar jovens talentos tão distintos e emprestar sua experiência por ter convivido com a expressão máxima da música de Minas, o Clube da Esquina.

Kadu Vianna, geminiano irreverente, que como o outono, estação transitória entre o inverno e o verão, marcada principalmente por mudanças bruscas de temperaturas, traz para o palco a dualidade do canto lírico e popular.

E nessa minha comparação, Pedro Morais seria o verão, ao trazer o seu canto cálido e vibrante forjado nas têmperas do Vale do Jequitinhonha para o Quarteto.

E Mariana Nunes, libriana nascida na primavera, é o elemento feminino que dá a completude de tudo isso. Ela empresta a sua voz de timbre raro e que lembra a suavidade das flores e o colorido dessa bela estaçao.

Com vocês o Quarteto Cobra Coral!!!"