Seja bem vindo(a)!!!





Há mais 15 anos , apresento um programa de rádio intitulado "Canta Minas", na rádio Aranãs FM, de Capelinha MG, com enfoque exclusivo para a música mineira em todas suas vertentes. Sempre fui apaixonado por música e, assim sendo, tomei a iniciativa de criar este blog com a finalidade de divagar um pouco sobre as minhas impressões durante os mais de 12 anos de programa. Além da música também sou apaixonado por História e Literatura. Aqui, publicarei crônicas, causos e outras divagações a respeito de tudo que tenho vivido nesse pedaço de chão que é o Vale do Jequitinhonha. E como não pode deixar de ser, também escrevo sobre a minha querida terra natal, Corinto, e outras vivências pelo mundo afora que me ajudaram a construir uma história de gente comum, sem heroísmos, no entanto carregada pelos "sinais de humanidade"!!! Abraços Gerais!!!

banner

banner

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

BH: LETRA E MÚSICA

Livros de Leonardo José Magalhães Gomes desenham o mapa cultural da capital. Escritores e cantores indicam obras que melhor traduzem a cidade

Ailton Magioli


Aos 114 anos, completados na segunda-feira, Belo Horizonte já tem consciência e uma produção de consistência da história da cidade. “O problema é a atual administração municipal, que está desmontando a cidade”, aponta o historiador Leonardo José Magalhães Gomes, de 59 anos. Ex-diretor do Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB), ao conversar com um dos prefeitos da capital, acabou despertando para a necessidade de publicação de Memória de ruas – Dicionário toponímico de Belo Horizonte, de 1992, que já está na segunda edição.

Ontem à noite, na Quixote Livraria, Leonardo lançou Belo Horizonte: A cidade descrita (Documentos de uma história urbana) e A música da cidade – Cartografia musical de Belo Horizonte, que encerram a trilogia historiográfica da cidade. “Na verdade, não havia pensado em uma trilogia”, revela o autor dos livros, lembrando que os dois últimos foram feitos sob encomenda para o Anuário de Belo Horizonte.

Inspirada nos livros, que abordam a produção literária e musical da cidade, o Estado de Minas pediu a escritores, cantores e compositores que indicassem as obras que melhor traduzem o espírito belo-horizontino, capazes de nos fazer entender a cidade. Afinal, quais seriam os livros fundamentais para a história de Belo Horizonte? E, entre as canções, quais delas entrariam na provável trilha sonora da cidade?

Para Leonardo José Magalhães Gomes, literariamente, Belo Horizonte já produziu o que há de melhor em língua portuguesa, diante da obra de Pedro Nava, Carlos Drummond de Andrade e Guimarães Rosa. “Não podemos esquecer que Rosa morou na cidade, estudou no Colégio Arnaldo e se formou em medicina pela UFMG. A formação intelectual do escritor foi toda aqui em Belo Horizonte”, orgulha-se o historiador.

Musicalmente, Leonardo resolveu privilegiar o Clube da Esquina e Milton Nascimento. “Trata-se de um gênio como Pixinguinha e Tom Jobim, que costuma ser pouco apreciado na cidade. O pessoal do Clube é sempre vítima de uma olhar de desdém da cidade”, diz Leonardo José Magalhães Gomes, para quem, no livro A música da cidade, defende a tese de que a produção musical de Milton Nascimento e a turma do Clube da Esquina está para Belo Horizonte assim como o tango está para Buenos Aires e a valsa para Viena.

Cantores e compositores ouvidos pela reportagem foram além do período, conforme a defesa de cada um. Para Dudu Nicácio, por exemplo, a música homônima ao movimento “foi o marco histórico que cantou para todo mundo a nossa cidade, cultura e jeito”. Mas ele vai além, e aponta o Skank e Vander Lee como responsáveis por novas páginas musicais da capital. “Com muito suingue e malemolência, Garota nacional, de Samuel Rosa e Chico Amaral, mostrou ao Brasil que um simples bar e uma bela garota facilmente podem se tornar uma paixão. Não é a toa que essa rapaziada fez tanto sucesso”, afirma Dudu. Para ele, “nenhuma rivalidade entre torcidas também foi tão bem retratada, musicalmente, como em Galo e Cruzeiro, de Vander Lee. “Mais do que nunca, é a cara de Belo Horizonte, apaixonada por futebol e samba. Um gol de placa do Vandeco”.

Já Márcio Borges, um dos principais letristas do Clube da Esquina, atribui aos versos de Rômulo Paes, “a minha vida é esta: subir Bahia, descer Floresta”, um dos mais inspirados momentos da capital. “Descreve que a ‘nossa’ vida é essa, e acho que, pelas proporções do vertiginoso crescimento da cidade, esse espírito boêmio da Rua da Bahia se alastrou para além da Floresta e chegou em Santa Tereza”. E completa: “Lá, o ícone do bairro é o tal Clube da Esquina, e esta música minha, de Lô Borges e Milton Nascimento retrata um momento muito importante da vida da cidade e até mesmo se confunde com ela”. A terceira música para Márcio – mas não a última, pois não estou enumerando – só pode ser a Garota nacional, do Skank. “Foi ela que tornou a projetar a música produzida em BH para muito além de nossas fronteiras”, justifica.

Já o rapper Flávio Renegado anuncia que vai liberar para download, a partir de hoje, em seu site (www:flaviorenegado.com.br), a até então inédita Até o dia clarear, que ele fez em homenagem a Belo Horizonte e, segundo diz, a suas “belas mulheres”.

Literatura
A professor Heloísa Starling aponta três autores que, em sua opinião, produziram narrativas exemplares sobre Belo Horizonte. O primeiro, Eduardo Frieiro, “que foi um cronista impecável”. “Seus livros, sempre devidamente ambientados em Belo Horizonte, fizeram dele um dos grandes cronistas da cidade. É o caso de conferir em O cabo das tormentas. Esse livro é inteiramente ambientado no Edifício Cine Brasil, cujo prédio modernista é apresentado ao leitor como a quilha de um grande e melancólico transatlântico, fervilhando de uma gente anônima, irremediavelmente encalhada na esquina principal da Avenida Afonso Pena, no centro comercial da cidade”.

A seguir, Heloisa aponta Cyro dos Anjos (O amanuense Belmiro), que ela escolheu junto do também professor Wander Melo Miranda, concluindo com Marcus Freitas (Peixe morto), autor, em sua opinião, de “um thriller emocionante, ambientado na Belo Horizonte contemporânea”. O poeta Ricardo Aleixo, por sua vez, vai de Rodrigo Ferreira e Beatriz de Almeida Magalhães, autores de Belo Horizonte – Um espaço para a República, sob o argumento de tratar-se de “obra única para quem busca entender, em minúcias, a lógica positivista que preside a construção da capital mineira”.

Além de Sérgio Fantini, autor de Diz xis, e Humberto Werneck, autor do já clássico O desatino da rapaziada. “Fiquei tentado a indicar qualquer um dos livros de Wander Piroli, ou o Encontro marcado, de Fernando Sabino, ou, ainda, a memorialística de Pedro Nava, mas entendo que essa deliciosa obra, fruto de intensa pesquisa, já representa, por si só, um convite ao leitor que se disponha a conhecer os autores e livros que citei. O livro, muito bem escrito, sem pedantismo, dá a ver a formação da vida literária na província – um modo de ver e pensar o mundo que ainda hoje persiste”, conclui.

BELO HORIZONTE: A CIDADE DESCRITA (DOCUMENTOS DE UMA HISTÓRIA URBANA)
A MÚSICA DA CIDADE – CARTOGRAFIA MUSICAL DE BELO HORIZONTE
Lançamento dos livros de Leonardo José Magalhães Gomes, dia 14 de dezembro , na Quixote Livraria e Café, Rua Fernandes Tourinho, 274, Savassi. Informações: (31) 3264-2858.
Belo Horizonte em…

Canções


1 – Clube da Esquina, Márcio, Lô Borges e Milton Nascimento
2 – Garota nacional, Samuel Rosa e Chico Amaral
3 – Galo e Cruzeiro, Vander Lee
Dudu Nicácio, 32 anos, no momento grava o primeiro CD solo, depois de dividir discos com a cantora Leopoldina e com o carioca Rodrigo Braga, com quem forma o duo Dois do Samba. Coordenou a participou de projetos Reciclo, Choro livre, Bloco da cidade e Mostra nova música instrumental mineira, além do Samba da madrugada.

1 – Para Lennon e MCcartney, de Lô e Márcio Borges e Fernando Brant.
2 – Belo caso de amor, de Paulinho Pedra Azul
3 – Serra do Curral, de Thiago Delegado e Edu Krieger
Flávio Renegado, 29 anos, originário da comunidade do Alto Vera Cruz, onde integrou o grupo Neghros da Unidade Consciente. Militante social, já gravou e lançou
dois discos: Do Oiapoque a Nova York (2008) e Minha tribo é o mundo (2011).

1 – A minha vida é essa (Subir Bahia, descer Floresta), Rômulo Paes
2 – Clube da Esquina, de Márcio, Lô Borges e Milton Nascimento
3 – Garota nacional, de Samuel Rosa e Chico Amaral
Márcio Borges, 65 anos. Irmão de Marilton e Lô Borges, um dos principais letristas do Clube da Esquina. É autor do livro Os sonhos não envelhecem – Histórias do Clube da Esquina.

Livros

1 – O cabo das tormentas, Eduardo Frieiro
2 – O amanuense Belmiro, Cyro dos Anjos
3 – Peixe morto, Marcus Freitas
Heloísa Murgel Starling, 54 anos, professora da UFMG, coordenadora do Projeto República: Núcleo de Documentação, Pesquisa e Memória da UFMG, além de pesquisadora do CNPq e Fapemig. Seu mais recente livro é Uma pátria para todos: Chico Buarque e as raízes do Brasil.

1 – Belo Horizonte – Um espaço para a República, Rodrigo Ferreira e Beatriz de Almeida Magalhães
2 – Diz xis, de Sérgio Fantini
3 – O desatino da rapaziada, Humberto Werneck
Ricardo Aleixo, 51 anos, é poeta, ensaísta e compositor, publicou, entre outros, os livros Festim, Trívio e Modelos vivos.

1 – O amanuense Belmiro, Cyro dos Anjos, 1937
2 – Beira-Mar, Pedro Nava, 1978
3 – Esquecer para lembrar – Boitempo III, Carlos Drumond de Andrade, 1979
Wander Melo Miranda, 59 anos é professor e diretor da Editora UFMG, além de autor dos livros de ensaios Corpos escritos (1992) e Nações literárias (2010).

Fonte: Jornal Estado de Minas - Caderno EM Cultura, 14/12/2011