Seja bem vindo(a)!!!





Há mais 15 anos , apresento um programa de rádio intitulado "Canta Minas", na rádio Aranãs FM, de Capelinha MG, com enfoque exclusivo para a música mineira em todas suas vertentes. Sempre fui apaixonado por música e, assim sendo, tomei a iniciativa de criar este blog com a finalidade de divagar um pouco sobre as minhas impressões durante os mais de 12 anos de programa. Além da música também sou apaixonado por História e Literatura. Aqui, publicarei crônicas, causos e outras divagações a respeito de tudo que tenho vivido nesse pedaço de chão que é o Vale do Jequitinhonha. E como não pode deixar de ser, também escrevo sobre a minha querida terra natal, Corinto, e outras vivências pelo mundo afora que me ajudaram a construir uma história de gente comum, sem heroísmos, no entanto carregada pelos "sinais de humanidade"!!! Abraços Gerais!!!

banner

banner

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

A MORTE MANDA LEMBRANÇAS

 Fernando Brant

 


Aprendi a gostar de Getúlio Macedo, sempre presente nas assembleias e nas festas dos compositores. Eis que chegou sua hora, como é inevitável: ele morreu no mês de outubro. E quem era ele, que não foi nenhum Getúlio Vargas, que foi ditador e democrata e deu um tiro no peito que afastou por um tempo a corja de vilões que nos presenteou com uma ditadura de 21 anos?

Menino, na década de 50 do século passado, não sabia de nenhum dos dois. Do primeiro, tomei conhecimento no dia em que, morto, fui informado de que poderia continuar brincando na praça de esportes, pois não haveria aula. Ignorante do que se passava, até gostei de ter mais tempo para os jogos de bola. Os dramas do Brasil e da política não faziam parte do meu mundo.

E não tinha a menor ideia de que o Macedo estava presente, sempre, de segunda a sexta, no meu dia a dia, na minha imaginação. Era o tempo glorioso da Rádio Nacional, que espalhava pelo país o que se criava no Rio de Janeiro. Programas de auditório, jogos de futebol (“quem gosta de cerveja bate o pé e reclama, quero Brahma”), Jorge Cury e Armando Cordeiro, Marlene e Emilinha, todas as canções primeiras em minha memória.

A Nacional fazia a cabeça sem querer fazer a cabeça de ninguém, essa a impressão que me ficou, diferente dos líderes de audiência de hoje. Ela era o toca-discos democrático de todos os brasileiros. Nessa época não conhecia as bolachas que iriam me seduzir quando cheguei à cidade grande.

De seis e meia às sete da noite, antes da Hora do Brasil, dois seriados radiofônicos nos fascinavam. Primeiro, o Anjo, de uns 10 minutos, nos preparava para a atração principal: Jerônimo, o herói do sertão. Ficávamos, os irmãos, com os ouvidos atentos, em silêncio, escutando o desenrolar da aventura que se passava em terras brasileiras, em que brilhavam Jerônimo, seu ajudante, o Moleque Saci, e sua noiva, Aninha.

Imaginávamos cenários nossos, como o rio infestado de piranhas, onde Jerônimo era jogado pelo bandido de voz cavernosa, o Caveira, e seu cúmplice, o Chumbinho. Como todo folhetim, os ganchos de cada episódio nos traziam susto e medo.


Por muitos anos cantei a música tema e nunca soube de quem era. Até que conheci o Getúlio Macedo, e ele, sabendo de minha boa lembrança de sua canção, me deu uma gravação original. Desde então, posso cantá-la com a letra inteira: “Quem passar pelo sertão vai ouvir alguém falar do herói dessa canção, o Jerônimo lutador. Filho de Maria Homem nasceu, Serro Bravo foi seu berço natal...”. E por aí vão Jerônimo e Getúlio Macedo.

Fonte: Jornal Estado de Minas, Caderno EM Cultura - 02/11/2011

Comentário:

Fiz questão de postar a crônica do Fernando Brant porque, além do título aludir ao dia de Finados e homenagem a uma pessoa que morreu recentemente e que marcou a sua infância, o autor também rememora a história do rádio no Brasil.

E assim como o rádio macou sua infância, a minha também ficou marcada, principalmente pelo meu saudoso pai, Antônio Romão, que despertou em mim o prazer pelo rádio.

Hoje, dia de Finados, rendo homenagens e exponho minhas saudades ao meu velho pai, que partiu há quae 35 anos. Além de meu pai, rendo minhas homenagens à minha mãe, dona Zefa, falecida há mais de 25 anos e minha queridíssima irmã Ivany, falecida há mais de 27 anos. Minha mãe e principalmente a minha irmã também me influciaram na paixão pelo rádio.

Pretendo publicar aqui alguns textos onde exporei a minha paixão pela rádio, que persiste até hoje.

Abraços Gerais!!!
Inté, uai!!!

Publicação: 02/11/2011 04:00