Seja bem vindo(a)!!!





Há mais 15 anos , apresento um programa de rádio intitulado "Canta Minas", na rádio Aranãs FM, de Capelinha MG, com enfoque exclusivo para a música mineira em todas suas vertentes. Sempre fui apaixonado por música e, assim sendo, tomei a iniciativa de criar este blog com a finalidade de divagar um pouco sobre as minhas impressões durante os mais de 12 anos de programa. Além da música também sou apaixonado por História e Literatura. Aqui, publicarei crônicas, causos e outras divagações a respeito de tudo que tenho vivido nesse pedaço de chão que é o Vale do Jequitinhonha. E como não pode deixar de ser, também escrevo sobre a minha querida terra natal, Corinto, e outras vivências pelo mundo afora que me ajudaram a construir uma história de gente comum, sem heroísmos, no entanto carregada pelos "sinais de humanidade"!!! Abraços Gerais!!!

banner

banner

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

LANÇAMENTO DE CD E DVD:

ROCK & SERTÃO
Beto Guedes lança DVD e CD com o lado B de sua carreira. Repertório chama a atenção por mesclar os sons da cultura popular com o pop refinado que fez a fama do Clube da Esquina

Por Ailton Magioli

Cristiano Quintino/Divulgação
Beto Guedes dividiu o microfone com Daniela Mercury em Luz e mistério e Meu ninho


Apesar das críticas depois da gravação ao vivo, no Grande Teatro do Palácio das Artes, que só faltaram compará-lo à versão, digamos, mais light de Amy Winehouse – devido ao esquecimento das letras de canções – Beto Guedes, de 59 anos, consegue surpreender em Outros clássicos. Lançado nos formatos CD e DVD pela gravadora carioca Biscoito Fino, o novo trabalho do cantor, compositor e guitarrista mineiro prima pelo repertório lado B – selecionado pelos fãs, no site do artista. Mas sem deixar de incluir releituras de pelo menos dois clássicos: O medo de amar é o medo de ser livre, que Elis Regina gravou no disco Trem azul, e Luz e mistério, a singela parceria de Beto com Caetano Veloso, interpretada por ele e por Daniela Mercury. O duo vocal se repete em Meu ninho.

“Aprovo a ideia: Beto Guedes é a nossa Amy Winehouse”, reage o parceiro Ronaldo Bastos, ao telefone, direto de Salvador, onde curte temporada de verão. “Ele não é só um dos artistas mais originais de sua geração, mas um dos maiores de todos os tempos”, empolga-se Bastos, atribuindo ao amigo o adjetivo “único”. Afinal, Beto é dono de escola musical própria. “A mistura de sertão baianeiro com rock inglês”, define Ronaldo Bastos.

Quando viu o futuro parceiro pela primeira vez, Ronaldo pensou estar diante de Steve Winwood, compositor e multi-instrumentista inglês que integrou as bandas Spencer Davis Group, Traffic, Go e Blind Faith, além de trilhar a carreira solo. Na opinião do letrista, o parceiro sempre teve jeito original de compor e tocar. “Apesar de as pessoas não se darem conta, ele é uma estrela verdadeira”, elogia.

Em Outros clássicos – Ao vivo, Beto Guedes conta com o amigo, parceiro e maestro Wagner Tiso, que reescreveu os arranjos da maioria das canções – a exceção é Quatro, em que a tarefa ficou a cargo de Cláudio Faria. O artista montes-clarense ainda se deu ao luxo de contar com naipes de cordas e sopros, além da reconhecida banda base, formada por Faria (teclados e vocal), Esdra “Neném” Ferreira (bateria), Adriano Campagnani (baixo), Augusto Renó (guitarra e violão) e o filho Ian Guedes (guitarra e violão), além dos vocais de Renato Guima, Valéria Braga e Mônica Horta.

Beto Guedes, que completa 60 anos em agosto, interpreta as canções com sua pequena voz. Ainda que esteja visivelmente abalado fisicamente, canta com doçura. Parte do público e, principalmente, da imprensa que compareceu ao show se irritou com a repetição insistente das canções, ainda que um aviso sobre a gravação do DVD tenha sido devidamente afixado na portaria do teatro, de acordo com a produção do espetáculo.

Acostumado a escrever as canções do amigo para grandes orquestras, Wagner Tiso diz que a base diferenciada – para dois sopros (sax/flauta e trompete/flugel) e quarteto de cordas (violinos, viola, e cello) – criou outra sonoridade para a música de Beto em Outros clássicos. O álbum inclui composições de Milton Nascimento e Fernando Brant (Veveco, panelas e canelas), Luiz Guedes, Thomas Roth e Márcio Borges (Boa sorte e Balada dos 400 golpes) e Renato Vasconcelos e Murilo Antunes (Um sonho pra viver).


Acordeom

Apesar de sempre ter usado acordeom em suas produções, Wagner não se lembra de ver o amigo levar o instrumento para shows, ainda que ele mesmo o tenha tocado na gravação de um disco dele. O convidado da vez é Célio Balona, acordeonista reconhecido que, literalmente, borda as ricas melodias de Rio Doce e Meu ninho, além de Quatro.

O paulistano Ricardo Puga, autor de Beto Guedes – Páginas de um relâmpago elétrico, biografia cuja publicação vem sendo adiada há mais de uma década por falta de patrocínio, aponta a singularidade da obra do biografado. “Impressionam sua originalidade e intempestividade, a fusão de sons do Norte de Minas Gerais, onde nasceu, com o dos Beatles, que ele sempre ouviu e continua ouvindo”.

“Beto tem realmente duas influências decisivas em sua música: uma bem nítida, dos Beatles, mas ele é o único dos integrantes do Clube da Esquina que toca coisas mais interioranas. Nesse sentido, até se parece um pouco comigo, que sou cigano e mineiro”, destaca Wagner Tiso. O maestro lembra a importância do pai, Godofredo Guedes, “chorão” talentoso, na vida do filho.

Parceiro mais constante, Ronaldo Bastos diz que Beto não faz concessões para se promover. “Depois do Milton Nascimento, talvez ele seja o grande artista mineiro, o mais influente. Só não tem o nome na capa de um disco do Clube da Esquina, a exemplo de Lô Borges. Pois deveria ter, porque a participação dele é fundamental no Clube. Tão importante quanto Milton e Caetano Veloso, Beto é um dos grandes dessa geração. Talvez um dos maiores baladistas que conhecemos”, conclui Bastos, incluindo o parceiro entre mestres do formato, como Paul McCartney e Phil Collins.

Exceção no repertório repleto de baladas, o tema instrumental Nena é oportunidade para Beto exibir seus dotes na guitarra. Como se ouve e vê, ele foi responsável pela formação do filho, Ian Guedes – em plena forma na banda do pai. Com direito a cenas de ensaio nos extras, o DVD mescla imagens da véspera da gravação com as do show, que exibem o cantor em perfeita sintonia com seu público.

Em 11 e 12 de fevereiro, o Rio de Janeiro assistirá ao show de lançamento do CD e DVD, no Teatro Rival. A seguir, será a vez de São Paulo.


OUTROS CLÁSSICOS

O medo de amar é o medo de ser livre – De Beto Guedes e Fernando Brant
Olhos de jade – Beto Guedes e Ronaldo Bastos
Um sonho pra viver – Renato Vasconcelos e Murilo Antunes
Rio Doce – Beto Guedes e Ronaldo Bastos
Quatro – Beto Guedes e Márcio Borges
Boa sorte – Luiz Guedes, Thomas Roth e Márcio Borges
Só primavera – Beto Guedes e Márcio Borges
Luz e mistério – Beto Guedes e Caetano Veloso
Meu ninho – Wagner Tiso e Ronaldo Bastos
Nena – Beto Guedes
Tudo em você – Beto Guedes e Ronaldo Bastos
A página do relâmpago elétrico – Beto Guedes e Ronaldo Bastos
Tanto – Beto Guedes e Ronaldo Bastos
Veveco, panelas e canelas – Milton Nascimento e Fernando Brant
O amor não precisa razão – Beto Guedes, Ronaldo Bastos e Ricardo Milo
Balada dos 400 golpes – Luiz Guedes, Thomas Roth e Márcio Borges
Lágrima de amor – Luiz Guedes e Márcio Borges

Fonte: Caderno EM Cultura, Jornal Estado de Minas, sexta-feira, 28/01/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário