Seja bem vindo(a)!!!





Há mais 15 anos , apresento um programa de rádio intitulado "Canta Minas", na rádio Aranãs FM, de Capelinha MG, com enfoque exclusivo para a música mineira em todas suas vertentes. Sempre fui apaixonado por música e, assim sendo, tomei a iniciativa de criar este blog com a finalidade de divagar um pouco sobre as minhas impressões durante os mais de 12 anos de programa. Além da música também sou apaixonado por História e Literatura. Aqui, publicarei crônicas, causos e outras divagações a respeito de tudo que tenho vivido nesse pedaço de chão que é o Vale do Jequitinhonha. E como não pode deixar de ser, também escrevo sobre a minha querida terra natal, Corinto, e outras vivências pelo mundo afora que me ajudaram a construir uma história de gente comum, sem heroísmos, no entanto carregada pelos "sinais de humanidade"!!! Abraços Gerais!!!

banner

banner

domingo, 2 de janeiro de 2011

CAUSO 5: O CASO DOS TAMANQUINHOS

O CASO DOS TAMANQUINHOS

Tadeu Oliveira


Essa quem me contou foi o meu amigo Barrão. Diz ele que, tempos atrás, havia dois prósperos comerciantes em Capelinha que vendiam de tudo que se possa imaginar. Para quem não conhece a cidade, ela é dividida ao meio pelo histórico Córrego do Areão, veio dágua escolhido por Manuel Luiz Pego para se instalar, após perseguição dos índios Aranãs, fato que deu origem à cidade.

Um dos comerciantes ficava instalado do lado de lá do córrego, na famosa rua das Flores, e o outro do lado de cá, ali pelas bandas da rua Getúlio Vargas, salvo-me do engano.

Deu-se que o comerciante do lado de cá havia comprado um estoque de tamancos que, segundo o meu amigo Barrão, dava para abastecer os pés das mulheres de uma cidade do tamanho de São Paulo. (Barrãozinho é assim, meio exagerado). 

Com o passar do tempo, depois de vender um par tamancos de vez em quando e outro de quando em vez, o comerciante do lado de cá viu que a mercadoria encalhara em definitivo. Foi quando teve a feliz ideia de contratar um bando de moleque para ir de hora em hora na loja do concorrente do lado de lá do córrego para perguntar se lá tinha tamanquinhos. É claro que o sujeito endoidou o cabeção.

Numa visita esporádica de fim de tarde ao concorrente do lado de cá, o concorrente do lado de lá comentou que ultimamente estava tendo um procura danada de tamanquinhos na loja dele. Mal o sujeito fechou a boca o comerciante do lado de cá ofereceu adjutório: lascou conversa, dizendo que realmente o produto estava saindo que era uma beleza, coisa e tal, mas que se ele quisesse arrumava uma parte do estoque para o comerciante do lado de lá, até ele comprar do viajante que não tardaria a passar.

Para encurtar a conversa, Barrãozinho me falou que até hoje o comerciante do lado de lá não pode ouvir a palavra tamanco que o sujeito dá nó na tripa, pois não sabe o que fazer com o seu estoque de tamanquinhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário